Mais de 200 atendimentos nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano foram realizados por meio do Programa Praia Acessível, iniciativa coordenada pela Secretaria de Esporte e Lazer (SEEL). A atividade é oferecida gratuitamente para pessoas com deficiência, sejam da Cidade ou turistas, oportunizando o uso de equipamentos especiais – cadeiras anfíbias e esteiras adaptadas – para auxílio de deslocamento na areia da praia e no banho de mar com segurança.

“Temos tido um movimento constante. O Praia Acessível está se consolidando em Praia Grande”, afirmou o professor responsável pela atividade Fabiano Nepomuceno. “A alegria que as pessoas demonstram em participar do Programa tornam o meu trabalho especial. Convido para participar aqueles que ainda não conhecem esta opção de lazer que o Município oferece. Tenho certeza que irão se divertir e ter um dia diferente”.

Dados – A atividade ocorre aos sábados, domingos e feriados, sempre das 9 às 17 horas, na Praia do Bairro Guilhermina (Avenida Presidente Castelo Branco esquina com a Rua Leblon, em frente ao número 1.898). Há rampa de acesso à praia e o Programa funciona com sol e chuva fraca. Se a chuva for forte, a atividade é interrompida visando à segurança dos banhistas.

Para participar, basta o interessado comparecer no quiosque e preencher ficha cadastral. No local, há um professor de educação física (Fabiano Nepomuceno) e um estagiário de educação física que auxiliam os interessados. Os menores de idade devem estar acompanhados pelos responsáveis. Dependendo do movimento, é possível que uma mesma pessoas possa utilizar o equipamento mais de uma vez no mesmo dia.

O Programa teve início em 2010. A Secretaria Estadual dos Direitos das Pessoas com Deficiência foi responsável pela compra de 10 cadeiras feitas com um tipo de pneu especial, que permite superar a dificuldade de locomoção na areia, e também não afundam na água. Em 2017, mais de 200 atendimentos foram realizados. Em 2016, foram cerca de 250. Em
2015, mais de 150 pessoas participaram do Praia Acessível. Nos últimos três anos, houve mais de 600 atendimentos.

Imprimir