Parar no meio do expediente para consumir um açaí como quem pega um cafézinho. A cena te soa estranha? Pois esse é o propósito do casal Anelise Stahl e Marco Martins, empreendedores gaúchos que criaram em 2018 a rede Meu Açaí Express.

O objetivo do negócio é vender produtos de açaí de um jeito “premium”, exaltando o que, para os fundadores, é o “verdadeiro sabor da fruta”.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil produz por ano cerca de 1,3 milhão de toneladas de açaí – 95% vindos do Pará –, gerando R$ 5,5 bilhões de reais.

Mas com tanto açaí e com milhares de quiosques, barraquinhas e restaurantes vendendo o produto Brasil afora, o que tornaria o produto da Meu Açaí Express diferente?

Segundo Anelise, o diferencial está em processar a fruta rapidamente, antes que o sabor se perca. Na cadeia da maioria dos fornecedores de açaí, a fruta costuma ser processada, em média, 24 horas após sua colheita, enquanto o material usado na Meu Açaí é processado em somente seis horas depois, segundo a empresa.

Os fundadores também se atentam ao conceito da loja: eles buscam montar um espaço moderno, com opções diversificadas e que façam o cliente olhar para o açaí de outra forma.

A rede oferece não só as opções tradicionais, como as misturas de açaí com banana o morango, mas combinações diferentes.

A empresa também vende opções de comida saudável, como sanduíches, saladas e tapiocas. “No Starbucks, as pessoas não vão só pelo café, mas pelos doces e salgados. Queremos oferecer a mesma versatilidade”, diz Anelise.

A ideia é focar no segmento da alimentação saudável, mercado que os donos da Meu Açaí consideram promissor no Brasil. Segundo a consultoria Euromonitor, o mercado de alimentação saudável no Brasil já fatura mais de R$ 90 bilhões ao ano e deve crescer cerca de 4% anualmente até 2021.

Fisgados pelo açaí

A Meu Açaí Express não é o único negócio do casal Martins. Naturais de Porto Alegre, os fundadores abandonaram seus empregos para se dedicar completamente aos negócios: Marco trabalhava em uma multinacional, enquanto Anelise era do ramo da moda.

Os dois começaram a trabalhar com açaí e consumo sustentável ainda em 2010, quando criaram a Casa Mundo Brazil, uma aceleradora de fomento e gestão de negócios sustentáveis — a empresa chegou a trabalhar em uma edição do Rock in Rio.

Mas eles não pararam por aí: as viagens à Amazônia fizeram a família se apaixonar pelo açaí. Em 2014, Marco criou junto a seus sócios a empresa Açaí Longa Vida, fornecedora do Açaí Mormaii, marca da empresa de surfwear homônima.

Posteriormente, surgiu a vontade de também atuar no varejo, o que se tornou realidade no ano passado com a Meu Açaí Express.

Imprimir