Os familiares e amigos de Arsene Amaral sempre a consideraram uma cozinheira de mão cheia. Quando a pandemia começou, ela sabia que, aos 80 anos, teria que ficar isolada por fazer parte do grupo de risco. Foi quando percebeu que poderia usar seu talento para começar um negócio sem sair de sua casa em Olinda, Pernambuco.

Arsene criou o Cozinha no Pote, em que prepara saladas, purês e caldos e os coloca em potes de 500 ml. O negócio surgiu em abril e continua crescendo: enquanto em agosto foram vendidos cerca de 300 potes, em setembro o número subiu para 500. Cada unidade custa R$ 10.

“Eu sou muito ativa e não queria ficar sem fazer nada, então eu tive a ideia de começar a fazer salada”, diz Arsene, que assistiu vídeos pelo YouTube para testar novas receitas. “Comecei a fazer primeiro para família e amigos. Eles gostaram muito e aceitaram bem.”

A própria família incentivou o negócio, e as netas criaram uma página no Instagram para divulgar as opções de comida. Os clientes podem entrar em contato pelo WhatsApp e fazer o pedido. Além de entregar em Olinda, o negócio também tem delivery disponível para as cidades vizinhas Recife e Paulista.

Por conta da pandemia, a empreendedora continua preparando as refeições em sua casa, mas já tem o objetivo de abrir um espaço físico em Recife no início de 2021. “Eu moro em um apartamento relativamente pequeno e fiz adaptações na minha cozinha, mas um lugar só para o Cozinha no Pote vai ser muito melhor”, afirma.

Gosto de sempre

O gosto pela culinária é muito mais antigo do que o negócio. Desde a infância, Arsene gostava de preparar refeições para a sua família. “Eu nunca cheguei a estudar essa área, sempre fui aprendendo na cozinha mesmo”, diz ela.

Já casada e com os três filhos adolescentes, ela decidiu começar a preparar almoços para entregar em empresas e residências perto de sua casa. Até conseguiu fazer isso por um breve período, mas não levou o projeto adiante.

Foi só agora, durante a pandemia, que ela viu o momento certo para criar seu próprio negócio, que sempre foi um sonho. “Acredito que tudo tem o tempo certo de acontecer. O meu demorou um pouco, mas chegou”, diz Arsene.

Imprimir